Volume do Sistema Cantareira tem ligeira recuperação, mas situação ainda é preocupante, diz especialista

Postado por Mariana Manetta em 26/nov/2018


(Por Bárbara Muniz Vieira, G1 SP)

O Sistema Cantareira operava com 35% do seu volume neste domingo (25), um aumento de 0,6% em relação ao volume registrado no início do mês (34,4% no último dia 1º). Já são três meses em estado de alerta, ou seja, operando com volume igual ou menor do que 40%.

O Sistema Cantareira é o maior reservatório de água da região metropolitana e abastece cerca de 7,5 milhões de pessoas por dia, 46% da população da região metropolitana de São Paulo, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), orgão que regulamenta o setor.

Para o professor da USP Pedro Luiz Côrtes, a situação atual é ‘preocupante”, visto que o nível atual está próximo do de 2013, época pré-crise de abastecimento. Em 25 de novembro de 2013, o Sistema operava com 31,7%.

“Não conseguimos sequer alcançar o nível de um ano tipicamente seco, como foi 2017. Isso torna a situação ainda mais preocupante”, diz Côrte.

De acordo com o especialista, a principal fase de recarga do Cantareira ocorre nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro, mas essa recarga poderá não ser a ideal.

“Embora com o El Niño que se aproxima esteja previsto um aumento nas chuvas, elas ocorrerão sob a forma de pancadas isoladas (pode chover muito em uma região enquanto outras permanecem sem chuva). Essa não é a situação ideal para recarga dos mananciais. Além disso, o El Niño gera um aumento de temperatura, levando a um maior consumo de água e a maior evaporação nos mananciais.”

Nos últimos 13 meses, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) diz ter poupado mais de 27% do que estava autorizada a retirar do sistema.

Nossa Agenda